Medicina de Família | Acupuntura | Homeopatia | Mindfulness

Horário : Segunda a sexta-feira, 8h às 12h | 13h às 18h
  Contato : (41) 3209-5204 | 99259-0031 (whatsapp)

Acupuntura

A arte/ciência milenar de introduzir agulhas permite, através de estímulos neurais realizados na periferia do corpo, promover uma regulação do Sistema Nervoso Central Simpático e Parassimpático do organismo. Dessa forma, todas as funções do nosso organismo podem ser ajustadas e reequilibradas.

Corpo e mente indissociáveis

O paradigma em que a Acupuntura se baseia, que é o da Medicina Tradicional Chinesa, é holográfico ou integral. Assim, mente e corpo são indissociáveis, sendo tanto o corpo (pelo seu sangue, líquidos e hormônios) quanto a mente (com suas emoções, pensamentos e cognição) igualmente interagentes e interdependentes. Por exemplo, num acesso de raiva a pessoa estagna o Qi do Fígado, podendo produzir dores no hipocôndrio. Se a raiva for crônica e intensa, isso poderá levar a pessoa a desenvolver gastrites, enxaquecas, rigidez muscular generalizada. De outro lado, uma mulher que menstrua em quantidade exagerada tende a perder muito sangue, levando a uma anemia que consequentemente levará o Qi do Fígado a se rebelar, causando, por exemplo, enxaquecas, insônia, sonhos perturbadores. Assim, pode-se concluir que o processo de equilíbrio da pessoa deve ser trabalhado tanto em nível físico quanto mental, já que esses são indissociáveis.

Mais do que inserir agulhas no corpo

Essa é apenas uma das etapas de uma série de procedimentos encadeados, que obedece à mesma sequencia de uma consulta médica de qualquer outra especialidade. Assim sendo, durante a anamnese, as queixas e a história do paciente são ouvidas e anotadas. A seguir, é realizado um exame físico e são solicitados e interpretados exames complementares quando necessários. Isso permite ao médico a elaboração de um diagnóstico clínico. Só então, ele poderá decidir se a Acupuntura está indicada naquela situação clínica e se há a necessidade de prescrever alguma medicação bem como associar outra forma complementar de tratamento. Finalmente, o médico poderá estabelecer um prognóstico, informando o paciente sobre as possibilidades de sucesso no tratamento empreendido e de suas limitações no seu caso em particular.