Medicina de Família | Acupuntura | Homeopatia | Mindfulness

Horário : Segunda a sexta-feira, 8h às 12h | 13h às 18h
  Contato : (41) 3209-5204 | 99259-0031 (whatsapp)

O hábito da projeção nos outros

A projeção é uma atitude imatura do ego, em que tudo o que é desconfortável, proveniente dos complexos, da sombra, das negatividades, sofrimentos e confusões do inconsciente é projetado nos objetos e nos outros, no ambiente que circunda a pessoa.

O melhor trabalho político, social e espiritual que podemos fazer é parar de projetar nossas sombras nos outros – Carl Jung

Ao projetar no ambiente e pessoas, ocorre um processo de fragilização, pois a dependência do seu bem-estar fica atrelada à aprovação de terceiros, situações perfeitas, contextos ideais. Na medida em que a pessoa abdica de sua própria consciência sobre o que projeta externamente, esses conteúdos passam a ter domínio sobre ela.

Ao não ter mais o poder de gerar mudanças, ou pelo menos perder grande parte desse poder – já que as pessoas, acontecimentos e circunstâncias ora controlamos e ora não – a pessoa passa, sem perceber, a gerar um processo de incriminação, irritação, oposição com o ambiente externo. Isso, tomado em escala coletiva, pode ser muito bem o elemento sustentador de várias guerras, violências e inimizades.

Nessa mesma perspectiva, certamente a maior contribuição social, humanitária, e responsável que podemos fazer com a raça e com o planeta e Universo, é a atitude consciente a respeito dos demônios emocionais que nos habitam. Olhar para eles, conversar e poder entendê-los faz parte do processo de individuação do ser humano, permitindo-nos a desidentificação com esses núcleos de confusão emocional criados em outros tempos.

Quanto menos conscientes desses complexos negativos, mais dominância eles exercem sobre nosso comportamento usual. Muitas vezes podemos passar uma existência completa inconscientes do nosso Universo interno de crenças, olhares, visões, valores e emoções.

As consequências desse modo de ser inconsciente se manifestam de maneiras muito lamentáveis, como quando agredimos um semelhante, roubamos, somos rudes, gritamos, perdemos completamente o senso do outro e quando estamos apenas focados em nos defender, atacar e sobreviver.